Planejar a aposentadoria é uma preocupação comum a todos os trabalhadores que já estão há mais tempo no mercado de trabalho. Porém, apesar do processo merecer cuidado e atenção, existem muitos equívocos que podem ser cometidos pelas pessoas ao planejar a aposentadoria. É por isso que, no post de hoje, falaremos sobre os erros mais comuns e o que pode ser feito para evitar que eles se repitam! Acompanhe.

Fazer investimentos que rendam pouco

Ao planejar a aposentadoria, muitos brasileiros contratam planos de previdência privada (Plano Gerador de Benefícios Livres e Vida Gerador de Benefícios Livres). Porém, investir em PGBL e VGBL não é tão rentável quanto parece.

Isso porque os planos de previdência privada possuem rendimento médio inferior ao dos fundos de investimento. E os motivos são simples: as taxas são maiores, o gestor tem pouca liberdade para investir (depende de decisão do regulador) e é limitado por causa da gestão dos bancos. Em suma, são mais caros e rendem menos para o cliente.

A saída é procurar um profissional que entende do assunto e consultá-lo a respeito de outras formas de investir seu dinheiro para planejar a aposentadoria, como os fundos de investimento, os títulos públicos ou ações na bolsa de valores.

Não planejar a aposentadoria antecipadamente

Quanto mais cedo você pensar em poupar, menos problema terá para manter seu padrão financeiro quando se aposentar. Se você começa a economizar depois de anos de trabalho, quase no fim da vida laboral, mais dinheiro vai precisar desembolsar mensalmente para manter seu estilo de vida.

Desconsiderar a expectativa de vida

Parece um erro bobo, mas não é. À medida que o tempo passa, a expectativa de vida das pessoas tem aumentado. Se você ingressou no mercado de trabalho há 25 anos, certamente a expectativa de vida para a época era aproximadamente 10 anos a menos da atual.

Para se ter uma ideia, segundo dados do IBGE, a expectativa de vida média no Brasil subiu para 75,2 anos em 2015, variando para mais ou para menos conforme os estados brasileiros.

Se você desconsidera esse aumento, ao planejar a aposentadoria, não consegue economizar o suficiente para manter sua qualidade de vida nos anos seguintes a ela.

Subestimar a inflação

A inflação é fator importante para se considerar na hora de planejar a aposentadoria. Em tempos de crise econômica, o poder de compra diminui, já que os produtos ficam mais caros e o salário do trabalhador não acompanha o ritmo.

Como o aposentado não receberá sua antiga renda de forma integral deve pensar em saídas para compensar o aumento nos gastos. Uma forma interessante é investir em títulos públicos corrigidos pela inflação.

Planejar a aposentadoria não é tarefa simples, mas não é nenhum bicho de sete cabeças. Se você analisar bem, todos os erros citados são evitáveis, e as soluções são possíveis de serem implementadas. Basta procurar informação para entender as formas de investimento que assegurarão sua tranquilidade quando se aposentar!

baixe-nosso-ebook-guia-definitivo-da-aposentadoria

Ficou com alguma dúvida do que é importante considerar ao planejar a aposentadoria ou sobre os erros mais comuns cometidos por quem está nessa fase? Escreva pra gente pelos comentários, e até a próxima. 


Este artigo foi escrito com orientações de SÉRGIO PIRES MENEZES (OAB/SC sob o nº 6430), MARCELLO MACEDO REBLIN (OAB/SC sob o nº 6435) e IGOR BAYMA DE MENEZES CERUTTI (OAB/SC sob o nº 22.378), advogados do escritório MENEZES REBLIN ADVOGADOS REUNIDOS (OAB/SC sob o nº 113/93). Caso tenha alguma dúvida com relação ao assunto abordado, fique à vontade para escrever um e-mail para contato@aradvogadosreunidos.com.br

LEMBRE-SE: este post tem finalidade apenas informativa. Não substitui uma consulta a um profissional. Converse com seu advogado e veja detalhadamente tudo que é necessário para o seu caso específico.